terça-feira, 27 de Março de 2012

Sopa de favas com catacuzes, poejos e queijo de "ovelha"

Sopa de favas com catacuzes, poejos e queijo de ovelha

Labaças# Catacuzes

A receita original desta sopa de favas com catacuzes e poejos é feita com queijo de cabra. Decidi fazer com queijo de ovelha, pois não sou grande apreciador de queijo de cabra, nas sopas.

Sopa de favas com catacuzes, poejos e queijo de ovelha
Labaças ou Catacuzes

As Alabaças, aqui no Alentejo também são conhecidas por Labaças ou Catacuzes. Crescem espontaneamente e são consideradas plantas invasoras. Nas hortas servem de alimento aos animais de criação. Talvez por isso,  não lhe reconhecendo valor nutritivo, seja difícil encontrá-las à venda nos mercados pelos hortelões. Hoje, cobiçam-se outras plantas silvestres.


No receituário tradicional alentejano, com as labaças ou catacuzes  fazem-se  esparregados, sopas de feijão ou grão.
Achei pouco vulgar esta combinação de ingredientes. Resolvi perguntar às gentes deste concelho, se já tinham feito as catacuzes em sopa, com favas, poejos e queijo de cabra . Fiquei bastante  surpreendido. Nunca tinham ouvido falar em tal sopa. E mais! Muito espantadas e quase ofendidas, todas me responderam :- as labaças ou catacuzes por aqui, comem-se  é com  feijão ou grão em sopas ou simples, num esparregado. Confesso. Depois de ouvir em tom de repreensão tantos comentários, estive quase para desistir desta sopa. Mas como sou muito curioso, não resisti. Fiz.

Labaças ou Catacuzes



Ingredientes
1 molho pequeno de catacuzes
350g gramas favas novas descascadas
1 cebolo
2 dentes de alho
1 molho de poejos
1/2 dl azeite
1 queijo fresco  de ovelha(alentejano)
Água e sal q.b


Arranje o molho de catacuzes ,  aproveite só as folhas,  escalde-as e reserve. Importante! Caso contrário ficarão muito amargas assim como todo o caldo da sopa.
Refogue o cebolo bem picadinho no azeite. À parte faça um piso com os poejos, os alhos e o sal. Quando o cebolo estiver transparente deite o piso e as favas. Mexa sempre e deixe esse preparado apurar um pouco. Para que as favas cozam e se mantenham  sempre macias e mais saborosas, deite a água  aos poucos e poucos (salpicos), até ter o caldo desejado. Prove e rectifique o sal. Quando estas estiverem cozidas adicione então as catacuzes. Mexa  e deixe cozer em lume brando por aprox. 8-10 minutos. Por fim, deite o queijo fresco de ovelha  partido aos bocados, tape a panela e desligue o lume. Está pronta para ser servida.
Pode servir esta sopa com fatias de pão duro alentejano. E se o fizer, disponha o pão no prato e não na terrina. Mas lembre-se que deixa de ser sopa e passa à versão sopas ( migas de pão no caldo).

Olhapim provou
É uma sopa forte.
Rasgam-se sabores em cada colherada.
















Olhapim,
Alentejo...

sexta-feira, 16 de Março de 2012

Amêndoas de Páscoa com especiarias [ Gengibre, cacau e canela ]

Que me desculpe a duquesa de Bedford, mas o meu chá das cinco foi servido tarde.
A minha convidada passou o dia a comer pão, bolos e bolinhos, sempre rodeada de amigos. O seu apetite para jantar não era muito. Achei simpático convidá-la antes para um chá. Combinada a hora,  chegou a minha casa  com uns extraordinários Muffins de quinoa e atum. Salgado, perfeito! Lembrem-se que para acompanhar um chá, deverá haver sempre uma componente doce e outra salgada. A doce já tinha preparado, amêndoas com especiarias. Assim como o chá, gorreana, variedade Orange Pekoe. Foi um serão muito agradável. Falámos de arroz doce, dos seus sous chefs (os gatos), da sua paixão por Nigel Slater  e do nosso Alentejo.
Porquê a Suzana? Simples.
1) Tem raízes alentejanas.
2) Sou alérgico a gatos [ a Suzana diz que "... noutra vida há-de ser um gato..."] #Atchim!
3) Achei elegante convidar a promotora deste "evento".
4) Nos blogues encontramos grandes cozinheiros e cozinheiras. Alguns são, verdadeiros Chefes! Convidei uma blogger portuguesa, em homenagem a todos os meus colegas "bloggers" : )
Com estas amêndoas participo na 2º edição do "convidei para jantar" autoria da  Anasbageri, que neste momento está em casa da Suzana, no blogue Gourmets {amadores}.


 Amêndoas de Páscoa com especiarias :  gengibre, cacau e canela 
Amêndoas enxovalhadas com especiarias

 Amêndoas de Páscoa com especiarias : gengibre, cacau e canela 


Ingredientes: 
1 chávena de amêndoas com pele
1 chávena de açúcar
1 chávena de água 
25 g de rizoma de gengibre ( pesado já descascado)
1 colher de sopa rasa de cacau em pó amargo
1 colher de café de canela em pó

Limpe bem o pó das amêndoas com um pano depois de descascadas.
Na picadora triture o açúcar com o gengibre.
Num tacho antiaderente coloque as amêndoas inteiras com pele, o açúcar triturado com o gengibre, o cacau, a canela e a água. Em lume médio e mexendo sempre, deixe ferver até que todo o líquido evapore. 
Quando o açúcar ficar parecido com “areia” [isto irá acontecer muito rapidamente depois da fase espumosa e caramelada], retire do lume para arrefecer um pouco, revolvendo tudo. 
Leve este preparado novamente ao lume, mas agora lume brando. Nunca pare de mexer. Quando o açúcar começar a derreter e todas as amêndoas se apresentarem brilhantes:- estão prontas. 
Deite-as para cima de um papel vegetal com a ajuda da colher de pau e espalhe-as para ficarem soltas. Depois de frias guarde num frasco que vede bem para ficarem sempre crocantes.

Olhapim adverte 
Mexa sempre o preparado com uma colher de pau e nunca toque nas amêndoas enquanto estiverem quentes. É com açúcar quente que está a trabalhar, e este, faz queimaduras na pele. 
Não lave logo o tacho. Deixe-o de molho por umas horas e depois basta passar por água.

Olhapim provou 
Frescas!Frescas, frescas, frescas. Fica uma amêndoa de sabor a chocolate com uma doçura apimentada. Exóticas. 

Olhapim fotografou passo a passo
Tive o cuidado de tirar fotografias em todas as fases, neste caso do ponto de açúcar.
Ridiculamente fácil de fazer. Não comprem. Façam e adicionem outros sabores.



Olhapim,
Alentejo...

terça-feira, 6 de Março de 2012

Mostra Gastronómica de Peixe do Rio de Alandroal// Restaurante a Adega dos Ramalhos

O meu jeito para a pesca é maravilhoso. Mentira.
Quando vou à pesca vejo muitos peixes. Mas pescar?! Nada. Zero. Em vez da cana de pesca, para mim faz mais sentido usar uma espingarda. Com uma espingarda basta ter boa pontaria. Agora com uma cana a pontaria de nada serve. Podemos ir até com uma boa dose de paciência, mas o peixe, esse, simplesmente não pica nos meus anzóis.
Mas há quem tenha jeito e sorte nas pescarias. Quando soube da III Edição da "Mostra Gastronómica do Peixe de Alandroal " e vi a lista dos pratos mais tradicionais, não quis faltar.
 
Destino : - Alandroal // Restaurante Adega dos Ramalhos// Caldeta de peixe do Rio 
Ementa do "festival" e mesa com enchidos, queijo meia -cura ovelha, azeitonas ( tudo do Alentejo)
Açorda de Savél e Peixe do Rio Frito
Caldeta de Barbo
O Sr. Alberto Ramalho mostrou-nos este magnifico Lúcio Perca
A conta ( 5 adultos e 5 crianças)
 
A Caldeta de Barbo foi, de todos, o nosso prato favorito. Encontrei ovas de peixe do rio no meio das migas e até na Caldeta. Pedimos vinho da casa e este foi-nos  servido em jarro e o branco em copo. Estava tudo muito saboroso. O cozinheiro destes petiscos é o Sr. Alberto Ramalho.
Como sabem, certos peixes do rio não são muito apreciados devido ao sabor a mofo e lodo que lhes é característico. Mas um bom cozinheiro, fazendo uso dos poejos, hortelã da ribeira, das ervas e fritando-o em postas muito fininhas, transforma esse peixe. De tal maneira que, comemos peixe que não sabe é a mar : ) 
Olhapim,
Alentejo...